Médico Perseu

Médico Perseu escolheu hotel do evento por medo da violência

Blog Brasil Policial

Na madrugada da quinta-feira, 5 de outubro, um fato abalou não apenas a comunidade médica, mas também toda a nação. O médico ortopedista baiano Perseu Ribeiro Almeida, de 33 anos, foi morto a tiros em um ataque na Praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O que torna essa história ainda mais devastadora é o fato de que Perseu havia escolhido se hospedar no mesmo hotel onde estava acontecendo um congresso internacional de ortopedia, devido ao seu medo da violência na cidade.

Perseu, que estava animado para participar do evento internacional e se destacar entre os grandes nomes da ortopedia, tomou essa decisão para evitar grandes deslocamentos na cidade. A mãe do médico, preocupada com a viagem de seu filho, demonstrou seu temor, mas Perseu estava decidido a seguir em frente com seus planos.

Porém, a decisão de se hospedar no Hotel Windsor, que sedia o congresso, acabou levando a uma tragédia inimaginável. Perseu foi confundido com um miliciano e foi alvo de um ataque a tiros, juntamente com três de seus colegas médicos.

  • Diego Ralf Bomfim, 35 anos
  • Marcos de Andrade Corsato, 62 anos
  • Daniel Sonnewend Proença, 32 anos

Dessa maneira, Perseu perdeu a vida, juntamente com Diego Ralf e Marcos de Andrade, enquanto o quarto médico, Daniel Sonnewend, baleado luta pela sua recuperação.

Perseu (com a camisa do Bahia) foi confundido com miliciano Taillon – Foto: reprodução

O que diz a família de Perseu

Para a família e amigos de Perseu, essa perda é indescritivelmente dolorosa. Um dia antes de sua morte, enquanto ainda estava na Bahia, Perseu comemorou seu aniversário de 33 anos com familiares e compartilhou seus planos de abrir uma clínica de ortopedia em Ipiaú, no sul da Bahia, realizando assim o sonho de seu pai, que faleceu em um acidente de carro em 2013. Ele estava entusiasmado com esse projeto e já tinha tudo planejado.

O tio de Perseu, Remo de Araújo, lamentou a perda de seu sobrinho e enfatizou que ele sempre se dedicou aos estudos e ao seu trabalho como médico. “Meu sobrinho nunca fez nada a ninguém, tudo que ele sempre fez foi estudar. Tirar a vida de uma pessoa assim é muita irresponsabilidade”, afirmou Remo ao portal G1.

A comunidade médica, juntamente com familiares e amigos, se despedirá de Perseu em uma cerimônia que ocorrerá na cidade de Ipiaú. Nesta sexta-feira, dia 6, o corpo do médico chegará à cidade às 15h30, e a partir das 19h, a família realizará o velório no salão da maçonaria, em frente à prefeitura. O enterro está programado para sábado,7 de outubro, às 9h30, permitindo que familiares de outras cidades tenham a oportunidade de se despedir dele.

O ataque aconteceu no Quiosque do Naná, na Praia da Barra da Tijuca, e chocou todos os presentes. O grupo de médicos estava aproveitando um momento de lazer antes de participar do congresso internacional de ortopedia, que aconteceria no mesmo hotel em que estavam hospedados, o Hotel Windsor.

As investigações

As investigações sobre esse trágico incidente estão em andamento, com a Delegacia de Homicídios da Capital à frente do caso. Além disso, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, determinou que a Polícia Federal acompanhe de perto as investigações.

Nesta sexta-feira, o secretário da Polícia Civil do RJ, Renato Torres, confirmou que o ataque que resultou na morte dos médicos foi um erro. “Não resta mais dúvida alguma de que os médicos foram assassinados por engano”, declarou Torres, destacando a confusão que levou à perda de vidas valiosas.

Blog do Halder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *